É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo." (Clarice Lispector)

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Levada, irmãos ficam para trás...Outros pais.

Me lembro da fome, das brincadeiras de criança, me lembro do frio , me lembro da miséria, mas não consigo me lembrar de um carinho, de um afeto, de um beijo recebido.
Talvez as dores tenham apagado as alegrias, sei lá.
Minha mãe morta, naquele caixão, o sentimento de solidão profunda.
Primeiro a incompreensão, depois a dor.A saudade.
O enterro saiu, não me deixaram ir, tinha que ficar com os mais novos, mas naquela hora percebi que minha mãe não voltaria mais.
Passamos então a viver por nós mesmos. Comendo o que ainda tinhamos e completando com que meu irmão trazia,.
Sabiamos que teriamos que sair da casa. Mas pra onde iriamos, não tinhamos tios, primos, avós.Ninguem Chorávamos em silencio nas noites que se sucederam. Sem esperanças e com medo.
Um dia o patrão da minha mãe parou uma moto em frente minha casa e me disse que iria me levar.
Mas eu lhe perguntei e meus irmãos?
Ele respondeu que eles ficariam..Me lembro de partir chorando ,na garupa daquela moto, sabendo que não ia mais ver meus irmãos.E me peguntava: Pra onde ele estaria me levando? Me disse no caminho que eu teria uma nova mãe e que agora ele seria meu pai. Eu não queria uma nova mãe, queria a minha mãe, minha familia, minha vida por mais miseravel que fosse.
Mas senti gratidão, pelo gesto dele, por me querer, por me acolher.
Mas e meus irmãos? Ficariam na rua, sozinhos, e quando eu poderia ve-los?  Tive medo que perguntar e ele me achar uma ingrata. Então me calei, e isso fiz por anos e anos.
Gratidão e tristeza...dois sentimentos que me dominavam naquele dia.

Sandra

7 comentários:

Luis Nantes® disse...

Nossa Sandra!! Que postagem linda, tá? Muitas são as pessoas que tenha passado por isso em algum lugar... Sensacional, viu? Te adoruuu...
Beijos minha doce menina

Sueli disse...

Se ainda não descobriste a causa de todo esse sofrimento, minha flor, um dia saberás, não tenho dúvida disso. Ainda bem que hoje a vida a recompensou com uma família linda! Beijo grande! (que saudade!)

Guará Matos disse...

Sorria e viva para mais um ano, que será muito bom!
Bjs.

Luciana Klopper disse...

Amiga, uma historia mesmo de arrepiar a alma!
Que 2011 seja repleto de paz, saude e amor em nossas vidas! amém!

Elaine Barnes disse...

Não é fácil ter uma primeira infancia com tanta dor,sem escolhas. Voc~e é uma heroína sem dúvida. Sobrevivente de um caos que te levou ao bem.A vida de tragédia pelo olhar de uma criança de 5 anos com certeza deleta tudo para continuar vivendo, senão morre também.Muitas gatas borralheiras nunca chegaram a ir ao baile, ficaram sempre no borralho. Montão de bjs e abraços migona linda!

Paulo Tamburro disse...

SANDRA,

SOU SEU NOVO SEGUIDOR , AQUI TAMBÉM.

E COM QUE ORGULHOS O FAÇO.

NOSSA , VOCÊ É EXTRAORDINÁRIA!

FELIZ 2011.

UM ABRAÇÃO CARIOCA E CRISTO REDENTOR ESTE ANO FOI TODO REFORMADO SÓ ENCANTAR OS SEUS OLHOS E RECEBER SEUS BEIJOS ACHOCOLATADOS. (RS).

Pérola disse...

Te acompanhando.Fica melhor acompanhar lendo a próxima postagem.
Vc se foi,seus irmãos ficaram,que agonia minha flor.
Beijos.